Memória Duke - Usina Chavantes - Carlos Alberto Ramos

Carlos Alberto Ramos

"O meu nome é Carlos Alberto Ramos. Nasci em Ourinhos no dia 2 de março de 1958. A minha ligação com o setor elétrico vem da minha origem familiar, porque meu pai foi funcionário da CESP. Ele começou a trabalhar na empresa em 1966, na construção da Hidrelétrica de Chavantes, por uma empreiteira. (...) Então meu pai participou da construção da usina de Chavantes e, por tabela, nós também acompanhamos. Vimos, por exemplo, o enchimento do lago, com a captura dos peixes, que era um grande atrativo.

Eu não tinha muita noção de como funcionava a geração de energia, mas sempre via chegando na construção máquinas grandes, como as de terraplanagem, ou os equipamentos eletromecânicos. Além disso, meu pai levava a gente nos domingos e nos finais de semana para visitar a obra. A carreira dele foi até 1984, quando ele se aposentou.

Naquela época, eu ainda era estudante, ingressando no ginásio. Depois acabei escolhendo a área de elétrica para ser minha profissão, até motivado por essas vivências na usina, quando ouvia muito falar em casa sobre manutenções de subestações de usina. Eu ficava escutando, assimilando e adquirindo gosto pela área. Em 1977, concluí o curso técnico de eletrônica e, em 1978, fui para Minas Gerais fazer o curso de Engenharia Elétrica. Terminei o curso em 1982 e, neste mesmo ano, entrei como estagiário da CESP em Itapeva. Trabalhei na área de distribuição de energia durante um ano, e como não me efetivaram, fui trabalhar no Rio de Janeiro, na área industrial. Fiquei lá até o começo de 1986, quando teve um concurso interno na CESP e fui convidado a participar. Consegui uma das vagas de engenheiro para trabalhar na área de operação de sistema. Então, desde 6 de julho de 1986 estou no setor elétrico. São 26 anos nessa área, posso dizer que militei de tudo um pouco." (Trechos da entrevista realizada em 04/07/2012)