• Trabalhadores nas obras de escavação da usina Canoas I, 13/04/1993. Foto: Sueli Takejame

    Trabalhadores nas obras de escavação da usina Canoas I, 13/04/1993. Foto: Sueli Takejame

  • Detalhes das obras da construção da barragem da usina Canoas I,  01/12/1993. Foto: Paulo Roberto de Souza

    Detalhes das obras da construção da barragem da usina Canoas I, 01/12/1993. Foto: Paulo Roberto de Souza

  • Detalhes das obras da construção da barragem da usina Canoas I,  01/12/1993. Foto: Paulo Roberto de Souza

    Detalhes das obras da construção da barragem da usina Canoas I, 01/12/1993. Foto: Paulo Roberto de Souza

  • Detalhes das obras da construção da barragem da usina Canoas I,  01/12/1993. Foto: Paulo Roberto de Souza

    Detalhes das obras da construção da barragem da usina Canoas I, 01/12/1993. Foto: Paulo Roberto de Souza

  • Detalhes das obras da construção da barragem da usina Canoas I,  01/12/1993. Foto: Paulo Roberto de Souza

    Detalhes das obras da construção da barragem da usina Canoas I, 01/12/1993. Foto: Paulo Roberto de Souza

  • Vista geral da escavação da usina Canoas I, 1993.

    Vista geral da escavação da usina Canoas I, 1993.

  • Vista geral da construção da estrutura da barragem da usina Canoas I, década de 1990

    Vista geral da construção da estrutura da barragem da usina Canoas I, década de 1990

  • Vista geral da construção da estrutura da barragem da usina Canoas I, década de 1991

    Vista geral da construção da estrutura da barragem da usina Canoas I, década de 1991

  • Vista aérea da central de concreto da usina Canoas I, década de 1990

    Vista aérea da central de concreto da usina Canoas I, década de 1990

  • Detalhe da construção da estrutura dos vertedouros da usina Canoas I, década de 1990.

    Detalhe da construção da estrutura dos vertedouros da usina Canoas I, década de 1990.

  • Detalhe da construção da estrutura dos vertedouros da usina Canoas I, vista a montante, 05/1998

    Detalhe da construção da estrutura dos vertedouros da usina Canoas I, vista a montante, 05/1998

  • Detalhe da construção da estrutura dos vertedouros da usina Canoas I, vista a montante, 05/1998

    Detalhe da construção da estrutura dos vertedouros da usina Canoas I, vista a montante, 05/1998

  • Detalhe da construção da estrutura dos vertedouros da usina Canoas I, vista a montante, 05/1999

    Detalhe da construção da estrutura dos vertedouros da usina Canoas I, vista a montante, 05/1999

  • Vista aérea da usina Canoas I, na etapa final das obras civis, 05/1998

    Vista aérea da usina Canoas I, na etapa final das obras civis, 05/1998

  • Vista aérea do canteiro de obras da usina Canoas I, 01/12/1993.

    Vista aérea do canteiro de obras da usina Canoas I, 01/12/1993.

  • Detalhe dos vertedouros da usina Canoas I com as comportas instaladas, 17/06/1999

    Detalhe dos vertedouros da usina Canoas I com as comportas instaladas, 17/06/1999

  • Detalhe da instalação dos transformadores da subestação de Canoas I, 17/06/1999

    Detalhe da instalação dos transformadores da subestação de Canoas I, 17/06/1999

  • Construção do Anel Viário de Candido Mota, 23/02/1994. Foto: Paulo Roberto de Souza

    Construção do Anel Viário de Candido Mota, 23/02/1994. Foto: Paulo Roberto de Souza

  • Operários trabalham na pavimentação de ponte sobre o rio Paranapanema, 23/02/1994. Foto: Paulo Roberto de Souza

    Operários trabalham na pavimentação de ponte sobre o rio Paranapanema, 23/02/1994. Foto: Paulo Roberto de Souza

  • Vista geral da sala de turbinas da usina Canoas I, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

    Vista geral da sala de turbinas da usina Canoas I, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

  • Vista externa da casa de comando da usina Canoas I. À frente, escada de peixes, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

    Vista externa da casa de comando da usina Canoas I. À frente, escada de peixes, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

  • Operador verifica painel na usina Canoas I. 26/01/2006, Foto: Paulo Miguel

    Operador verifica painel na usina Canoas I. 26/01/2006, Foto: Paulo Miguel

  • Operador monitorando painel da usina Canoas I. 26/01/2006, Foto: Paulo Miguel

    Operador monitorando painel da usina Canoas I. 26/01/2006, Foto: Paulo Miguel

  • Vista geral da sala de turbinas da usina Canoas I. 26/01/2006, Foto: Paulo Miguel

    Vista geral da sala de turbinas da usina Canoas I. 26/01/2006, Foto: Paulo Miguel

  • Vista geral da sala de comando da usina Canoas I. 26/01/2006, Foto: Paulo Miguel

    Vista geral da sala de comando da usina Canoas I. 26/01/2006, Foto: Paulo Miguel

  • Vista externa da usina Canoas I. No detalhe, a subestação, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

    Vista externa da usina Canoas I. No detalhe, a subestação, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

  • Na lateral da barragem da usina Canoas I está localizada a escada para peixes.,26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

    Na lateral da barragem da usina Canoas I está localizada a escada para peixes.,26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

  • Na lateral da barragem da usina Canoas I está localizada a escada para peixes, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

    Na lateral da barragem da usina Canoas I está localizada a escada para peixes, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

  • Funcionários trabalham na manutenção do viveiro de mudas na usina Canoas I, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

    Funcionários trabalham na manutenção do viveiro de mudas na usina Canoas I, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

  • Sistema de irrigação do viveiro de mudas na Usina Canoas I, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

    Sistema de irrigação do viveiro de mudas na Usina Canoas I, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

  • Vista geral do viveiro de mudas, na usina Canoas I, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

    Vista geral do viveiro de mudas, na usina Canoas I, 26/01/2006. Foto: Paulo Miguel

Histórico do projeto
Originalmente, o projeto Canoas era designado como Projeto Cinzas, em função da localização no rio das Cinzas.
O projeto original previa a construção de uma barragem com 30 metros de altura, acima da superfície da água, no município de Cândido Mota. Isso resultaria na inundação de uma área de 15 mil hectares de terra roxa, própria para a agricultura intensiva e explorada por pequenos proprietários. Houve forte reação contra o projeto, em 1982, no início das perfurações para análise de solo na área destinada à barragem. Os produtores rurais se mobilizaram e o projeto foi suspenso no mesmo ano.
Com isso, o plano original alterado e o projeto alterado. No lugar de uma única barragem de 30 metros, decidiu-se construir duas de 15 metros: uma em Cândido Mota e outra no Porto Leopoldino, em Palmital. Nascia daí o Complexo Canoas, com as Usinas Canoas I e II.
O projeto de Canoas inovava no modelo de geração. Pela primeira vez no Brasil seriam usadas turbinas tipo bulbo, apropriada para baixa queda d’água e pequenas potências.
“A turbina tipo bulbo, além de ser uma máquina mais apropriada para os 15 metros de queda de Canoas, é adequada à vazão ali existente e à potência instaladas – seis máquinas de 24 MW, três em cada barragem. O seu emprego permite uma economia de investimentos, em obras civis, estimada em 15%. A turbina bulbo possui eixo horizontal e recebe o fluxo d’água diretamente, sem a necessidade de um reservatório.
A montagem das usinas
Concepção arquitetônica
Dificuldades financeiras da obra
Obras compensatórias
Arqueologia
Ficha técnica da obra
Ficha técnica da usina Canoas I